ForkinRio Python – 13/06/2010

segunda-feira, 14 junho 2010

Galera,

Rolou ontem mais um ForkinRio Python. A ideia foi de fazê-lo majoritariamente remoto, portanto, só estávam presentes de corpo e alma:

Nos encontramos às 10:00 da manhã, entretanto, perdemos muito tempo tentando achar uma maneira alternativa ao dimdim para poder realizar a reunião remotamente. Testamos primeiro uma outra ferramenta online para conferências que o Mário havia pesquisado. A ferramenta é a tokbox. É uma ferramenta online que, para até 20 pessoas na conferência, pode ser usada de graça. Para esse número de pessoas, achamos bastante razoável a usabilidade, o problema é que ela não tinha screen sharing. Depois testamos uma conferência via Skype, mas havia o mesmo problema. No Skype não poderíamos usar câmeras e dividir a tela. Por fim, tivemos a ideia de fazer um screen cast, mas já estava bem tarde e resolvemos começar o trabalho.

Não progredimos muito. Primeiro porque bastante tempo foi gasto para o Diego e eu entendermos o código, já que não havíamos participado dos últimos Forks. Depois, como alguns tinham compromissos mais tarde, não poderiam demorar muito.

O Mário nos explicou as ideias definidas no último de primeiro separar os métodos e depois encapsulá-los em classes. Mas, achamos melhor, antes disso fazer um ajuste fino nos métodos já definidos. Como antes tudo era um código só, ainda havia muito lixo legado em alguns métodos. Além disso, haviam algumas (várias) variáveis e chamadas de métodos que possuíam nomes que não imprimia valor nenhum ao programador que lê. Por último, os arquivos HTML estavam uma zona no que diz respeito a identação. Como todo programador gasta mais tempo lendo código do que escrevendo, nós optamos por tornar o código tanto das interfaces como os de algum métodos mais legível.

O resultado está neste repositório no Github. Aprendemos bastante sobre a maneira que o CherryPy dialoga para montar os fluxos e também o modo que os arquivos de template fazem para acessar variáveis e terem códigos Python dentro deles. Houve uma crítica ferrenha à tal modo e algumas comprações com o modo que o Django e o Web2py dialoga com os templates.

Para o próximo encontro, nos comprometemos em continuar essa refatoração. Pretendemos terminá-la para definirmos quais serão os próximos passos do Fork. Como no próximo domingo teremos jogo do Brasil na Copa do Mundo, o encontro fica para o domingo seguinte. Então, dia 26 de Junho nos encontramos para trocar mais uma bolinha sobre Python.

Até a próxima,

Bernardo Fontes

Anúncios

DojoRio@Niterói – 27/05/2010

sábado, 29 maio 2010

Galera,

Rolou nessa última quinta-feira mais um DojoRio@Niterói lá na nossa queria UFF. O Dojo contou novamente com a presença em massa dos calouros do curso e também com novos convidados de outros períodos. Foi uma sessão bem especial, não só por todas os calouros que estiveram presentes, mas também pelas reflexões que elas nos gerou. Para saber mais sobre isso, leia esse post do Vinícius Teles falando sobre o pensamento comum que pairou na cabeça da maioria depois dessa quinta-feira.

A única coisa que faltou o Vinícius dizer foi o fato de termos descoberto um Certfied Blaze Master no pessoal. Não vou citar nome para não deixar as pessoas constrangidas… Como o Vinícius já falou bastante de como foi a sessão e dos resultados que ela obteve, vou me restringir a listar os presentes em mais um recorde. Estavam presente essas 26 pessoas:

Como pontos positivos o pessoal citou:

  • A refatoração
  • O pessoal participando mais
  • Aprender novas linguagens
  • Aprimorar o raciocínio
  • Foi produtivo
  • Ter começando no horário
  • Aprendizado de novos conceitos e estrutura de dados
  • Terem levado comida
  • Vir com um problema já proposto
  • Testes te darem segurança para o desenvolvimento
  • Os calouros continuarem participando e os novos frequentadores
  • Ter sido em Javascript
  • A interface do Jsspec
  • A criação de mais um Dojo
  • A superlotação dos Dojos de Niterói e do Rio
  • Familiarizar-se com diferentes linguagens
  • Ganhar bons hábitos de programação
  • Ser 0800
  • Pessoas programando pela primeira vez no Dojo
  • Problema simples e real
  • Ter colocado o tempo para 4 minutos
  • Os aplausos após a refatoração
  • Muito debate
  • Oportunidade para os calouros
  • Usar o quadro de giz
  • A Luciana estar presente para tentar levar o Dojo para a Medicina
  • O ar condicionado

O que ficou para ser melhorado foi:

  • Falar mais alto quando estiver como piloto ou co-piloto
  • Várias mudanças no fluxo do raciocínio
  • Não deu para todos programarem
  • Muita conversa na platéia
  • Senhora Justen não programou
  • Não teve apresentação das pessoas
  • Dinâmica lenta
  • O tempo passar muito rápido
  • O horário
  • Cansaço de alguns
  • O plugin de completar as aspas, parênteses e chaves
  • Não adicionaram algumas pessoas ao grupo do DojoRio
  • Algumas pessoas não poderem ir ao pós-dojo
  • Por que não tive Dojo quando era calouro?
  • A comida distraiu o pessoal
  • Ter sobrado comida
  • Pessoal do canto retendo a comida
  • Faltou orientação a objetos
  • Arrumar mais cadeiras para a sala
  • Algumas pessoas que confirmaram que vinham e faltaram
  • As mesas no meio da sala
  • A separação da galera entre calouros de um lado e “veteranos” de outro
  • Perda de foco no final
  • Programar com o DojoTimer aberto
  • Ar condicionado esfriou muito
  • Uso do Javascript
  • O Henrique Bastos e sua empolgação não estavam presentes

Deixaram como sugestões:

  • Usar o Vi como próximo editor de texto
  • Usar Python novamente em um próximo Dojo
  • Fazer em uma linguagem nova
  • Fazer em alguma linguagem mais antiga como COBOL
  • Usar alguma coisa de banco de dados
  • Fazer mais publicidade do grupo
  • Conseguir uma sala maior
  • Fazer o código em inglês
  • Usar um mouse maior
  • Fazer algum Dojo em PHP
  • Fazer algum Dojo em Perl
  • Fazer algum Dojo em C

Vale a pena reparar que essa galera nova tem uma sede por conhecimento muito grande. Isso é notável pelo número de sugestões de linguagens e ideias para serem implementadas no próximo Dojo. Para os que não estão indo à UFF, estão perdendo uma pequena revolução que esses calouros estão fazendo. Sorte nossa poder ver isso de perto. Para quem quer ver o código, ele está nesse repositório do Github. Em breve coloco no repositório do DojoRio no GoogleCode.

Até a próxima,

Bernardo Fontes


Dev in Rio 2009!!!

sexta-feira, 21 agosto 2009

No dia 14 de setembro de 2009 você já tem compromisso.

2009-08-21_dev_in_rio_2009

É com muito prazer que a DojoRio anuncia este fantástico evento sobre desenvolvimento de software.
O evento acontecerá no próximo dia 14 de setembro no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro!

Você terá a melhor e maior oportunidade de participar de um evento diferenciado onde além do conhecimento o importante é valorizar a interação entre as pessoas.

Este acontecimento histórico será marcado por personalidades do desenvolvimento de software nacional e internacional, que falarão sobre Métodos Ágeis, Ruby e Ruby on Rails, Python, Java, Django, Open Source, Joomla!, e muitos outros assuntos, que serão apresentados por grandes nomes como Vinícius Manhães Teles, Guilherme Silveira, Fabio Akita, Jacob Kaplan-Moss, Ryan Ozimek entre outros.

O evento está sendo organizado pelo Henrique Bastos em parceria com o Guilherme Chapiewski, associados a muita dedicação tornando real este evento idealizado da noite para o dia.

Confira a programação do evento e aproveite para fazer de uma vez sua inscrição para não perder esta excelente oportunidade, pois não vai demorar muito para as vagas se esgotarem.

Nos vemos lá em uma sessão de Dojo!!!


Dojo cronômetro

quinta-feira, 5 março 2009

Acabo de lembrar que o dojo de ontem teve mais uma novidade.

O Flávio escreveu um programa em Python com interface Tk que é um cronômetro para ser usado no dojo, e já foi feito o devido test-drive 🙂

Claro que na versão alfa ainda tem algumas funcionalidades a serem desenvolvidas, mas com o tempo teremos um super-cronômetro.

Detalhe que o programa é multiplataforma, diferente do Pydojo que só conseguimos rodar em Linux (eu acho… de qualquer forma teria que instalar o GTK no Windows para testar).

Flávio, seu programa é open source? 😛

Update [Flávio]: Criei um repositório no github pra o DojoTimer (como o chamei – sugestões de nomes são aceitas!). Quem quiser ajudar testando ou enviando código é só ir .