DojoRio@Niterói 28/10

sexta-feira, 29 outubro 2010

Pessoal,

Ontem tivemos mais um DojoRio@Niterói.
Resolvemos fazer o problema do campo minado em ruby.
Este dojo foi bem importante para mostrar que não devemos ser juggernaut e abaixar a cabeça saindo atropelando código.
No início, estávamos  avançando com o problema normalmente, até que chegou em um ponto no final em que, para passar o 6 teste, abaixamos a cabeça e saímos fazendo mais do que o necessário. Obviamente este código não rodou e perdemos um grande tempo até conseguirmos consertar
Além disso tivemos muitos participantes, alguns participantes novos e todos (que quiseram) puderam programar.

Tivemos 16 participantes:

Os pontos positivos foram:

  • Sinal ++++++++++
  • Ruby +++++++
  • Comida +++++++
  • Problema ++++++
  • Bastante gente ++++++
  • Gente nova ++++++
  • Todos que quiseram participaram +++++
  • Pessoal maneiro+
  • Discussão +
  • irb +
  • Explicação sobre multiplicação de arrays +
  • [[0]*4]*4
  • Volta ao dojo
  • Paciência
  • Galera da engenharia
  • Muitas coisas novas de ruby
  • Linguagem que não conheço
  • Ver que o big design fode
  • Ver que começar mal complica
  • Tem um cara que trabalha com bash
  • Pessoal receptivo
  • Aprende bastante
  • Tem sempre alguém que saca da linguagem para ajudar
  • Explicação sobre ruby
  • Ser igual a uma parte de um trabalho de prog
  • Refatorações
  • Lucas e Luis não brigaram

Os pontos a melhorar foram:

  • Falatório e palpites no vermelho no finalzinho ++++++
  • Ficar no mesmo erro por 40min +
  • Confusão para organizar a resolução
  • Avançamos pouco
  • Não olharam os testes
  • Não praticaram baby steps
  • Os pilotos cagaram para a plateia
  • Trollagem
  • Ipython > ruby
  • Dor de cabeça
  • Demoramos para começar
  • Sono infernal me atrapalhou
  • Perdemos muito tempo com detalhes
  • Problema decidido em cima da hora
  • Fiquei perdido em alguns momentos
  • Analisar melhor o projeto
  • Erros malucos confusos
  • Confusão quanto ao desenvolvimento do problemaNão poder ficar para o pós
  • Muita conversa paralela
  • Raí fazendo relatório de físisca
  • Erros no terminal foram ignorados (o pessoal está acostumado com o dojotools mostrando os erros direito no python?)
  • Amardilha do Sinal
  • Tentamos avançar tudo de uma vez
  • Fiz este post no blog pela metade ontem após o pós-dojo

As sugestões foram:

  • Pascal
  • c++
  • Teclado full
  • Trocar as lâmpadas  da a sala por verde/vermelho e ligar no sinal

 

Editado: Corrigi vários erros no post que eu tinha deixado passar ontem por estar com muito sono (após o pós-dojo) e não ter prestado atenção


    DojoRio@UFF 28/10

    quinta-feira, 28 outubro 2010

    Pessoal, hoje tivemos mais um DojoRio@UFF, também conhecido como dojo dos calouros
    Como Luis já passou a retrospectiva para um único papel, vou aproveitar para fazer o post agora, mas não se esqueçam que ainda hoje teremos o DojoRio@Niterói, o dojo “tradicional” de Niterói às 19:00 na sala 230B do bloco D no campus da praia vermelha da UFF (campus da engenharia)

    O problema escolhido foi calcular o CR dadas as notas do aluno e a linguagem escolhida foi python.

    Tivemos  8 participantes:

    • Pedro Yusim
    • Lucas Nadalutti
    • João Felipe Pimentel
    • Luis Antônio
    • Luiz Gabriel
    • Ricardo
    • Thiago Garcia
    • Beatriz Rachel

    Os pontos positivos foram:

    • Problema +++
    • Python +++
    • Gente nova +++
    • Concluimos bem +++
    • Legal conhecer o dojo ++
    • Todos programaram ++
    • Ipython ++
    • List comprehension+
    • Divertido +
    • Dojotools rodando no pc do João
    • A ‘cantada': “Eaí potranca, seus córnio é show, dá uma beiçada?”

    Os pontos a melhorar foram:

    • IF no primeiro teste +
    • Pouca gente +
    • gedit +
    • Mousepad do Flamengo
    • Demorou para começar
    • Nadalutti fumado e chato
    • Luis fumado e viado
    • Nadalutti e Luis juntos

    Ficaram como sugestões:

    • Java
    • c++

    6 Dojos de Niterói (entre 14/10 e 21/10), YouCover, estréia do Sinal e “Step In Dojo”

    terça-feira, 26 outubro 2010

    Bom, como já deu para perceber pelo título, nas duas ultimas semanas tivemos muitos dojos em Niterói e, enquanto escrevo este post, está acontecendo mais um (DojoRio@Unipli 26/10 – Não, eu não estou no dojo =/ ), então preparem-se para um post bem longo

    DojoRio@UFF 14/11

    O problema escolhido para este dojo foi divisão de polinômios e a linguagem python.  Muita gente que já não aparecia há um tempo apareceu neste dojo e tivemos muita discussão do que deveria ser feito. Infelizmente, também tivemos muita discussão do que era o certo conceitualmente sem chegar em consensos e acabamos não avançando muito e fazendo um código que não usou muito o que o python tinha a oferecer.

    Foram 11 participantes:

    • Mateus Azis
    • Raí Gomes
    • Lucas Nadalutti
    • Rafael Braga Morett
    • João Felipe Pimentel
    • Roberto Sampaio
    • Bárbara
    • Gisele
    • Luiz Gabriel Guimarães Alves da Silveira
    • Luis Antônio
    • Everton Moreth

    Pontos positivos :)

    • Galera compareceu ++++
    • Todo mundo que chegou cedo jogou ++
    • Python +
    • Voltamos a usar Thunder Methods +
    • Muita discussão +
    • Problema interessante
    • Problema matemático
    • Calouros apareceram
    • Orientação a objetos
    • Achei legal programar em python pela primeira vez
    • Começou cedo
    • Aprendi bastante coisa
    • Mesmo chegando atrasado, o tempo foi produtivo
    • Vasco ganhou ontem e ajudou o Fluminense

    Pontos a melhorar :(

    • Não foi produtivo ++
    • Desrespeito ao vermelho +
    • Muitas discussões que retardaram o desenvolvimento do problema +
    • Problema mal definido
    • Escolha das classes complicaram muito o problema
    • Foi difícil entender
    • Poucos calouros
    • Discussões sobre funções retornando dois vetores
    • Discussões da estruturação do problema não ajudaram
    • Fome desde o início do dojo
    • Discussões de conceitos ao invés de programar

    Ficaram como sugestões:

    • Se propor a usar o que a linguagem definida (python, no caso) oferece
    • “democratizar” mais os debates sobre o problema

    Neste dia (14/10), á noite, não tivemos o DojoRio@Niterói, pois o departamento fechou mais cedo devido ao feriado e não pudemos pegar o projetor.
    Com isso, nos reunimos na casa de Bernardo Fontes para fazer o YouCover (Leia mais no blog do Bernardo, que está no link)

    Estreia do Sinal e DojoRio@SNCTI 18/10

    No dia 18/10, a convite da professora Daniela Trevisan, fizemos o DojoRio@SNCTI (Semana nacional de ciência, tecnologia e inovação). O problema escolhido para este dojo foi o de determinar valor da compra de ingressos de cinema e a linguagem python. O problema foi bem divertido e o dojo foi feito em uma ótima sala.
    A sala em que o dojo ocorreu foi a sala onde começou o DojoRio@Niterói e já haviam expulsado o pessoal do dojo da sala (ou algo próximo disso, não to lembrando direito o que o Bernardo disse, e, nessa época, eu não participava do dojo, aliás, nem estava na UFF)
    Alem disso, tivemos a grande estreia do Sinal integrado ao Dojotools funcionando direito e chamando bastante atenção.
    Uma pena que um dojo tão positivo não foi tão divulgado e não tivemos nenhum participante novo.

    Tivemos 6 participantes:

    Pontos Positivos:

    • Sinal +++++
    • Problema +++++
    • Sala legal +++
    • Dojo na Semana de Ciência e Tecnologia +
    • YouCover +
    • Ganhei uma camisa +
    • Aprendi um pouco de python
    • Feedback do Sinal
    • DojoRio RockTour
    • Black Magic Solution
    • Convite a sala
    • __getatributte__ e dir
    • Professora Daniela
    • Respeito ao vermelho
    • Produtividade
    • Refatoração
    • JF amanhã

    Pontos a melhorar:

    • Pouca gente ++
    • Não rolou divulgação +
    • Comida zero +
    • Não deu para acabar o problema
    • Mesmo com o sinal, falamos no vermelho
    • Dukão meteu o pé cedo
    • Galera de fora não veio

    DojoRio@Unipli 19/10

    Neste dojo, a linguagem escolhida foi python e o problema foi a redução de intervalos, em que a entrada era uma lista e a saida deveria ser uma redução da representação desta lista fazendo intervalos de números
    Não tivemos uma retrospectiva “formal” com papel, etc… Então, o que está escrito aqui é um resumo da retrospectiva que rolou no pós-dojo e que eu lembrei de anotar quando cheguei em casa. Tivemos 7 participantes

    Os pontos positivos foram:

    • Ver lingaugens novas
    • Paciência do pessoal para explicar
    • Muito uso do ipython
    • Explicação inicial sobre o python
    • Mac com TextMate
    • Pessoal participando
    • Ambiente diferente de linux e windows

    Os pontos a melhorar foram:

    • Muito falatório e muitas sugestões no vermelho
    • Muitos não vieram pois não tiveram aula
    • Teclado do Mac
    • Aspas no TextMate

     

    DojoRio@SETEL 20/10

    Este foi mais um dojo que ocorreu em função da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, mas organizado pela SETEL (Semana de Telecomunicações).
    Desta vez, o dojo foi divulgado pela SETEL e tivemos muitos participantes novos.
    O problema escolhido foi o Jokenpo e a linguagem python

    Tivemos 10 participantes:

    • Carol Araujo Amado
    • Flávio Amieiro
    • Alex Castilho dos Santos
    • Carlos Eduardo Covas Costa
    • Felipe Alves
    • Ellison Petrutes
    • João Felipe Pimentel
    • Jonny Andrade
    • Luis Antônio

    Os pontos positivos foram:

    • Muitas perguntas +
    • Aprender como organizar melhor o código +
    • Python +
    • SETEL com dojo +
    • Todos participaram +
    • Gostei porque pude perguntar tudo
    • O Python simplifica a vida
    • Pessoa diferentes
    • Gente que não sabe programar
    • Ferramenta do Flávio
    • Aprender detalhes da sintaxe do Python
    • Fazer código legível
    • Ver aplicações que substituem IFs e exploram mais a linguagem
    • Muito produtivo
    • Dojotools sem desaparecer o erro = tempo para ler sem ter que abrir o terminar
    • Papel da retrospectiva improvisado (bloquinho do DevInRio)
    • Dinâmica
    • Dicas Rápidas
    • Encorajamento de melhores práticas

    Os pontos a melhorar foram

    • Touchpad +
    • Sinal não funcionou +
    • Pouca gente
    • Faltou comida
    • Teclado
    • Cansaço
    • Faltou camisa do dojo
    • Entendi tarde que o objetivo não é completar o programa, mas desenvolver lentamente avaliando diversos métodos

    Como sugestões ficaram:

    • Galera da engenharia participar dos dojos
    • Será que teremos um novo dojo mais compatível com o horário da engenharia?

    DojoRio@UFF 21/10

    Neste dojo, tivemos um grande problema para conseguir a sala durante a semana de engenharia.
    Grande parte das salas estavam vazias (inclusive a do dojo), mas por algum motivo, não estavam querendo liberar a chave. Depois de 1h indo e voltando entre o departamento da computação e o departamento da engenharia, conseguimos a chave para uma outra sala.
    Com isso, o dojo que estava previsto  para começar as 11:00, acabou começando 12:00 e tivemos que escolher um problema simples.
    O problema escolhido foi a fatoração de um número qualquer e a linguagem escolhida foi ruby. Isso foi algo interessante pois não tínhamos nenhum “guru” de ruby e muita coisa foi feita no irb.

    Tivemos 6 participantes:

    • Lucas Nadalutti
    • Mateus Azis
    • João Felipe
    • Luis Antônio
    • Bárbara
    • Jean

    Os pontos positivos foram:

    • Pão de queijo ++++
    • ruby ++
    • Conseguir usar ruby sem “guru” ++
    • Problema resolvido +
    • Sala confortável +
    • Problema otimizado
    • Boas refatorações
    • methods do irb
    • Ajuda da plateia para entender melhor o problema
    • Deu para fazer o dojo
    • Todo mundo jogou

    Os pontos a melhorar foram:

    • Começou tarde ++
    • Problema para achar a sala ++
    • Nenhum bom conhecedor da linguagem +
    • Chave da sala +
    • Quase ninguem veio +
    • Departamento da Engenharia FDP +
    • Tempo curto
    • Acabou tarde

    As sugestões foram:

    • Fazer dojo em java e chamar os calouros
    • Fazer dojo em c++

    “Step In” DojoRio@Niterói 21/10

    Para evitar mais um problema com a engenharia de tentar conseguir sala, este dojo foi marcado no NTP (ok, já estava marcado lá antes do problema do DojoRio@UFF)
    Decidimos a linguagem javascript e o problema de divisão de moedas entre os piratas.
    Logo de início, observamos um bug no JSSpec: Ao comparar vetores, ele “ignorava” o número de colchetes, ou seja, para ele [[2]] era igual a [2].
    Ao invés de mudarmos de problema, ou de ignorarmos este erro, tentamos debugar o código do JSSpec e começamos a seguir a execução até achar a parte com erro. Acabou rolando meio que um “step in“, pois, enquanto avançávamos no JSSpec, o Everton foi explicando muitas coisas de Javascript desde comandos básicos, até explicações sobre a linguagem ser prototipada. Ele então assumiu o PC consertou o bug do JSSpec e pudemos voltar ao dojo. Mesmo com tudo isso, ainda conseguimos avançar grande parte do problema no dojo.

    Tivemos 8 participantes:

    Os pontos positivos foram:

    • Problema +++
    • Gente nova +++
    • Correção do JSSpec ++
    • Javascript ++
    • frase “qualquer teste que passa, passa” by Everton +
    • NTP +
    • Ar condicionado
    • Local
    • Galera Receptiva
    • Lembrar que no JS tem sempre que colocar a base no ParseInt
    • Explicação de linguagem prototipada
    • Evolução rápida dos testes
    • Step in dojo
    • Problema com vários níveis de dificuldade
    • firebug
    • Explicação de javascript
    • Pesença da galera mesmo com a mudança de lugar
    • Irei na choppada
    • Avanço razoável
    • Biscoito
    • Todos programaram mais de 1 vez

    Os pontos a melhorar foram:

    • Demoramos para começar o problema ++
    • Problema no JSSpec no início do dojo ++
    • Demoramos para começar +
    • Teclado de Notebook
    • Cheguei atrasado
    • Novato e fiquei perdido
    • Tempo curto
    • Trocamos muitas vezes de note +
    • Mais de 40min presos a um problema do JSS
    • Local improvisado
    • Javascript confuso
    • Sala meio escondida

    Ficaram como sugestões:

    • Um teclado full
    • Mais javascript
    • c++
    • Pascal
    • Passar o JSSpec corrigido para a galera

     

    Depois de 3 horas digitando isso, terminei!


    DOJOS DO IFF DE SETEMBRO – [17, 18 e 19]

    sexta-feira, 22 outubro 2010

    Galera,

    Eu estou uma cidadã ausente dos dojos do IFF, mas participando e me envolvendo ‘por fora’…. Estou postando agora para avisar que os códigos, relatos e fotos dos dojos de setembro que faltavam estão postados no GitHub! [pouco atrasado! rs]

    Vou fazer esse post e talvez alguns próximos bem pequenos, mas o conteúdo está todo on line!

    Abaixo, os links pro conteúdo completo! Vocês encontram: os relatos nos arquivos README, as fotos da galera e do quadro de retrospectiva e os códigos!

    http://github.com/hugobr/DojoCampos/tree/master/2010_09_15/
    http://github.com/hugobr/DojoCampos/tree/master/2010_09_23/
    http://github.com/hugobr/DojoCampos/tree/master/2010_09_30/

    E só pra fechar, fica uma frase, pois esse mês foi [e agora outubro ainda está sendo] complicado pela questão tanto de pessoas, como de salas, como de equipamentos para os nossos dojos, como vocês vão ver nos relatos, então (não chorem por favor! rs):

    “As pessoas mais felizes não são as pessoas livres de problemas, mas aquelas que sabem como lidar com os problemas.” – Leo Buscaglia


    Dojo@Lapa – 06/10/2010

    terça-feira, 12 outubro 2010

    Na semana passada na Lapa continuamos nossa conversa para alinhar nossas expectativas quanto ao dojo.

    Como bem lembrado pelo Cláudio Berrondo, o propósito do dojo está ligado com as práticas e princípios do desenvolvimento Ágil, e não atrelado a uma linguagem ou paradigma de programação, ou a um grupo de problemas.

    Apesar de não ser o mais importante, a linguagem que usamos importa. Faz diferença.

    Não adianta fazer dojos em N linguagens se com o tempo, depois de D dojos, os participantes sabem tanto das linguagens quanto no dojo zero. Isso promove “programar em C” em qualquer linguagem. Faz com que nos limitemos a programar nas diversas linguagens usando o mínimo de suas funcionalidades.

    Leia o resto deste post »


    Como Aprender com Software Livre com Step Ins

    domingo, 10 outubro 2010

    Step In é um encontro para aprender com software livre.

    Objetivo

    • entender como funciona um determinado software livre (ou parte dele, alguma funcionalidade);
    • refatorar algo do mesmo (secundário, opcional).

    Requisitos

    • 1 piloto que tenha um bom conhecimento da linguagem usada no projeto, ferramentas de debugging e do projeto escolhido (esse último é opcional, mas ajuda).
    • 1 desktop/notebook;
    • 1 projetor (pra clonar a tela do computador);
    • 1 quadro-branco (opcional, mas ajuda na hora da explicação);

    Como Funciona

    Primeiro escolhe-se o projeto que será explorado. Pode ser um plugin, ferramenta, framework ou linguagem de programação. Qualquer tipo de software.

    O piloto deve (obviamente) baixar o código do projeto.

    Logo depois começa a explicá-lo passo-a-passo, tirando eventuais dúvidas da platéia. É uma boa executar código ao longo do processo para exemplificar o que está sendo analisado.

    Para explicar, pode-se usar o quadro-branco, executar algum código que use a funcionalidade, debuggar o mesmo, usar analogias ou o que for conveniente.

    Caso o piloto não saiba explicar alguma coisa, lembre-o que a documentação e o Google são seus amigos. Nada impede que alguém da platéia explique alguma coisa.

    Pode ser interessante refatorar algo que não esteja bom, adicionar alguma funcionalidade que seja de rápida implementação ou consertar alguma falha de segurança. O piloto faria a mudança e checaria se os testes atuomatizados continuam passando ou criaria novos testes se necessário. Caso alguém da platéia tenha tido a ideia, pode assumir como piloto e o antigo piloto se torna co-piloto até a finalização da refatoração.

    No fim do Step In, o piloto deve fazer uma review rápida do que foi aprendido. Também seria interessante que a review seja postada em algum blog.

    O Que As Pessoas Podem Aprender

    As pessoas podem aprender tanto funcionalidades da linguagem, conceitos usados e sobre as escolhas e estratégias do desenvolvedor da ferramenta.

    De Onde Surgiu a Ideia

    Outro dia eu estava olhando como funciona o roteamento de URL do Sinatra para ver como os blocos são executados.

    Poucos dias depois, notei que seria interessante usar a estratégia deles num dos projetos que estou trabalhando.

    Na palestra do Caike Souza no DevInRio, ele perguntou quem fazia Code Review dos projetos de suas empresas. A maioria não fazia.

    Imaginei que não abrissem o código de projetos open-source mesmo dos que estivessem usando.

    Minha cabeça explodiu.

    De Onde Surgiu o Nome

    O nome foi sugerido pelo camarada Henrique Bastos pós DevInRio.

    O Que Estão Esperando?

    Nos próximos open-spaces e palestras em eventos boladões, quero ver Step Ins em vários projetos!

    O Que Acharam da Ideia e do Processo?

    Sugestões são mais do que bem vindas. :-)

    PedroMenezes.com.


    DojoRio na semana de computação da UNIPLI Niterói 29-09-2010

    sexta-feira, 8 outubro 2010

    Bom pessoal, como eu estava sem senha do blog, só pude postar hoje sobre o primeiro dojo da Unipli em Niterói, vamos lá.

    No dia 29-09-2010 preparamos uma sessão de coding dojo na Universidade Plínio Leite em Niterói, para os alunos, na semana de computação que esteve rolando de 28 a 30 de Setembro, e que também foi uma mini PythOnCampus.

    O sucesso foi total, diversos alunos participaram e gostaram muito do que viram.

    Após a apresentação do Bernardo Fontes sobre o funcionamento do dojo, iniciamos uma sessão de coding dojo com os presentes, onde o problema foi aquele famoso para introdução ao dojo, o FizzBuzz, e a linguagem foi Python.

    A galera que participou estava muito animada e participativa, e com certeza teremos mais um lugar para treinarmos programação e fazer amigos.

    Participantes:
    * Bernardo Fontes
    * Mário Mariani
    * João Felipe N. Pimentel
    * Thiago Motta de Souza
    * Bruno Barnea
    * Luiz Guilherme
    * Luciano Mawara
    * João Batista
    * Gustavo Semaan
    * Tiago de Mattos Marinho
    * Leandro
    * Luiz Leonardo Cristófori
    * Luciano S. da Costa
    * Luciano Sousa
    * Thiago Péres

    Os pontos positivos foram:
    * A galera disposição da computação da Plínio
    * Alto astral
    * Vontade de aprender da galera
    * Ambiente
    * Comida
    * Python
    * Placa #horaextra que o Bernardo levou
    * Boa primeira impressão do programa
    * Biscoito
    * Aprendizado de nova linguagem
    * Diversão
    * A forma de escrever programas em equipe
    * O trabalho em equipe para solucionar os problemas
    * Alimento
    * Cooperação
    * Dinâmica do código
    * Discussão
    * Descontração
    * As pessoas não tentam mostrar que são melhores que as outras
    * Rapaziada gosta de ensinar
    * Intenção
    * Companheirismo
    * Sempre procurando ajudar
    * O curso foi muito bom
    * A didática do palestrante é muito boa
    * Estão de parabéns
    * A palestra foi bem explicada
    * Entendi bem o que significa o dojo
    * Ótimo workshop
    * Dojo é uma ótima idéia
    * Muito interessante a abordagem
    * Utilização de novas linguagens

    Pontos a melhorar:
    * Mais divulgação do dojo na UFF
    * Não vou no pós dojo
    * Poucos minutos para testar (5 min)
    * O cabo do datashow ficou solto, atrapalhando o piloto e a platéia
    * Acabar muito tarde
    * Café

    Sugestões:
    * Mais um dojo em Niterói?
    * Fazer dojo antes das aulas, a partir das 18h
    * Colocar mais tempo para o programador
    * Abrir um dojo na UNIPLI


    Seguir

    Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

    Junte-se a 31 outros seguidores